Professores da UC continuam em greve e gestores optam por assédio moral

Reunião com secretário do MEC ontem, 16/7 e ofícios encaminhados ao Ministério Público relatam irregularidades e arbitrariedades da mantenedora contra os docentes 
O Grupo Galileo, embora não consiga cumprir seus compromissos financeiros com os docentes, administrativos e até com os discentes, não mede esforços em exercer a pressão por coação a todos os setores ligados a ele, quer sejam coordenadores de unidades, assessores, coordenadores de cursos e funcionários. O intuito é forçar professores de forma arbitrária e covarde a aplicar provas, inclusive impingindo as coordenações a passar um formulário no Google que obriga o professor a se posicionar se dará prova ou se adiará a prova para após a greve, com termo “obrigatório”, e assinar o documento (https://docs.google.com/forms/d/1apigviR3Poq5FSiBl16GE_WqvHTJj0fkooud1wA-8R0/viewform).
Perguntada pelos professores se devem ou não assinar e preencher o formulário, a diretoria da Adoci afirma:
“A nossa determinação, apoiada pelo jurídico do Sinpro-Rio é que nenhum professor deverá preencher este formulário, pois caracteriza a criação de prova contra si mesmo, o que fere o seu direito, garantido na Constituição (“Nemo tenetur sedetegere”), no caso de ser usado capciosamente pela instituição contra o professor que, por este formulário assina e assume que está aderindo à greve. Logo,  o professor não deve temer pelo seu emprego por fazer valer seus direitos de forma legal e legítima. Não se deve esquecer que todo o corpo docente está em greve, decisão tomada em Assembleia é soberana e absoluta!”
A Adoci teve o  material de divulgação do movimento de greve retirado covardemente do  mural da Gonçalves Dias numa atitude policialesca. Para o presidente da associação, professor Sidnei Amaral,  esse ato caracterizou mais uma arbitrariedade por parte dos gestores. “Não foi respeitado o direito constitucional de manifestação do trabalhador. Principalmente que estamos protestando contra a falta de pagamento. Temos recebido sugestões de ações a serem implementadas e agradecemos a todos os que tem colaborado. Ocorre que, paralelo à greve, a ADOCI junto com o Sinpro-Rio tem agido diariamente em busca de solução. Sabemos que somente a greve não resolve, embora seja um instrumento importante e legal e do qual não abrimos mão” protestou.
Entre as providências tomadas pela associação, Amaral cita duas mais relevantes: “Estamos em contato permanente com o MEC e obtivemos ontem (16/7), a antecipação de visita atendida pelo Ministério da Educação. Nesta segunda-feira tivemos uma longa reunião com a Comissão Permanente e já na terça-feira a comissão esteve com a mantenedora. Queremos uma solução e o primeiro passo é o salario atrasado. As demais irregularidades não estão esquecidas. Continuamos em busca da normalidade na UniverCidade” alertou. A conversa a que o presidente da Adoci se referiu aconteceu ontem, por telefone, com o secretário geral do MEC, Pedro Leitão, quando foram narradas todas as irregularidades provocadas pela má gestão da mantenedora não só em relação aos professores, mas a todos os envolvidos nas questões da UC. Segundo Sidnei, o secretário informou que na reunião que teve com a mantenedora a comissão do MEC indicou uma série de encargos ao Grupo Galileo que deverá ser cumprida até a próxima semana.
Quanto ao tratamento das arbitrariedades contra o corpo docente, o presidente da Adoci encaminhou nesta semana, através do departamento jurídico do Sinpro-Rio, denuncia às ameaças sofridas pelos professores, consideradas como assédio moral, sobre o episódio da imposição aos professores para aplicação de provas e recebimento de trabalhos, não seguindo a decisão soberana da Assembleia, que deliberou a greve no dia 15/7. “A instituição continua agindo a seu modo, sem transparência, passando por cima da constituição federal e exercendo o grave comportamento tão condenado no passado e que afetou a tanta gente que lutava por direitos: a ditadura.
No link abaixo o comunicado expedido pelo Sinpro-Rio, sobre este fato:
%d bloggers like this: